Artigos

12 de Maio de 2016

Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos

Logo SOUC

“Chamados e chamadas para proclamar os altos feitos do Senhor” (1Pe2, 9)
Este é o lema que inspira a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos este ano celebrada de 5 a 15 de Maio.
Os textos propostos para a celebração da Semana de Oração deste ano foram preparados por membros de diversas Igrejas da Letônia, terra de mártires do nosso tempo, terra em que a comunhão e a unidade dos cristãos se expressou – e se expressa – num testemunho claro e evidente, vendo misturados o sangue de cristãos luteranos, batistas, ortodoxos e católicos.
Essa unidade dos cristãos expressa-se sobretudo no Sacramento do Batismo, pelo qual cada batizado torna-se filho de Deus e participante do Sacerdócio de Cristo. Daí brota a inspiração do tema: juntos, Povo Sacerdotal de Deus, proclamemos os altos feitos do Senhor, com um testemunho que ultrapasse as paredes de nossas igrejas e alcance todas as nações.
Nesta quarta-feira (11/05) representantes das Igrejas membros do Grupo Ecumênico de Brasília  (GEB) e do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (CONIC) se reuniram no Seminário Maior Arquidiocesano de Brasília Nossa Senhora de Fátima para uma Celebração Ecumênica, motivados pelos textos propostos pelas igrejas da Letônia a fazermos também nós memória dos altos feitos realizados por Deus em nossa história, sobretudo no caminho de unidade já percorrido, e proclamá-los, juntos, para que, crescendo em comunhão, aumente também a força de nosso testemunho.

Representantes_GEB_CONIC

O Reverendo Isaque, da Igreja Presbiteriana Unida, exortou os presentes a descobrirem Deus “nos caminhos da vida”, partindo da história dos discípulos de Emaús (Lc 24, 11-36). É preciso que reconheçamos o Senhor em nossos caminhos, nos momentos em que erramos, em nossos sofrimentos, angústias e fracassos. Jesus havia mandado que os discípulos fossem para Jerusalém, e estes foram para Emaús. Nós também erramos e lá quando erramos Deus estava junto de nós, perto de nós. Falando aos seminaristas, exortava-os para que o Seminário não fosse uma gaiola em que, presos, pensassem que fossem voar mas permanecessem ainda presos a uma mentalidade fechada, mas que o Seminário fosse um ninho, onde o cuidado dos formadores os preparassem para voar livremente, chamando os Seminários de “Casas de Profetas”.
É fazendo a experiência do amor de Deus que descobrimos os caminhos da unidade e de verdadeira fraternidade, livre de competições e rivalidades.

Paulo Chaves, 1.° de Filosofia

Mais nesta categoria:

2 comentários

  • Mazukielves Morais, ex-Seminarista 17 de Outubro de 2016

    Pena que o Ecumenismo não é vivido dia a dia de forma mais intensa (e prática) nas paróquias e igrejas. Se fala de Ecumenismo mas pouco se vê dos frutos desta idéia. Mas para se praticar o Ecumenismo duas coisas devem ser deixados de fora: o egoísmo e egocentrismo. Duas palavas que falam de dois âmbitos... um pessoal, outro comunitário. Não posso falar de Ecumenismo se o meu "EU" não concordar. Muito menos ainda falar de Ecumenismo se minha igreja, comunidade ou tradição não fomentar isso nos seus fiéis. Igrejas Catolicas de tradições como a Romana, Anglicana e Ortodoxa tem muito a contribuir por causa dos seus similares ritos, assim como o ardor das igrejas protestantes históricas tem para nos inapirar. Que sejamos UM! Esse desejo é do Mestre. Façamos valer a pena isso!

  • Francisco Anderson Lima da Costa 26 de Maio de 2016

    Achei lindo esta unidade

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.