Notícias

O Seminário

O Seminário (7)

10 de Setembro de 2015

Padre? Por que não?

Escrito por

Tudo normalmente começa com um vazio interior e uma dúvida existencial para aqueles que já possuem uma caminhada: “Senhor, o que queres de mim?”. Encontrar uma resposta para essa pergunta nem sempre é fácil. E, nem sempre, essa resposta chega com a rapidez que esperamos. De fato, num mundo imediatista como o nosso, esperamos achar respostas rápidas, se possível num click. No entanto, Deus tem seus caminhos. E a Igreja, mediadora dessa resposta, da mesma forma tem caminhos que nem sempre são os nossos.


O primeiro passo para quem deseja trilhar um caminho de discernimento vocacional é procurar um diretor espiritual. O auxílio da graça de estado dá ao padre as ferramentas necessárias para te ajudar a discernir se não é apenas uma admiração pelo sacerdócio, se é a fuga de algum problema familiar ou pessoal, se é emoção de momento ou mesmo se você não está usando (mesmo inconscientemente) o sacerdócio a fim de se promover socialmente.


O segundo passo é participar dos encontros vocacionais promovidos todo primeiro domingo do mês pela Arquidiocese. Nesses encontros são promovidas palestras temáticas, momentos de fraternidade entre os vocacionados, padres para ouvir e aconselhar, missa, e normalmente uma alimentação bem reforçada para que os participantes saiam satisfeitos no corpo e no espírito.


O terceiro passo e talvez o mais importante é rezar. Sem a oração nós nos tornamos sujeitos a gostos pessoais e a moções superficiais próprios de nossa personalidade. Vocação é antes de tudo entre você e Deus! Você só pode considerar-se chamado por Deus a abraçar o sacerdócio se der a oportunidade de Deus falar contigo. Há muitas formas de Deus falar, mas a mais apropriada para se ouvir o “Vem e segue-me” capaz de mudar o rumo da vida é a oração. De modo muito prático: pretende saber o que Deus quer para a sua vida? Frequente a missa, confesse-se, reze o terço, leia a bíblia e acima de tudo, tire um tempinho para questionar e ser questionado por Deus na oração pessoal.


A Arquidiocese de Washington, nos Estados Unidos, preparou um subsídio interessante para quem está em discernimento vocacional. Aqui estão alguns sinais:

  • Relacionamento pessoal com Deus na oração;

  • Sede por um aprofundamento da fé;

  • Devoção à Sagrada Eucaristia;

  • Generosidade e preocupação com os outros;

  • Desejo de viver uma vida reta e santa;

  • Amor pela Igreja Católica e por seus ensinamentos;

  • Disposição a construir amizades sadias;

  • Abertura a diferentes povos e culturas;

  • Amor pelos pobres e indefesos;

  • Capacidade e anseio pela paternidade espiritual;

  • Coragem e determinação para sustentar um ponto de vista impopular em nome de Cristo;

  • Autoimagem sadia;

  • Bom relacionamento com homens e mulheres.

Encontros Vocacionais promovidos pelo Serviço de Animação Vocacional (SAV) da Arquidiocese de Brasília 

QUANDO? -Todo primeiro domingo do mês às 8h
ONDE? Seminário Maior Nossa Senhora de Fátima - SHIS QI 17, AE, Lago Sul

 

Mídias Sociais SAV

facebook, YouTube, twitterGoogle+

 

Seminário Maior Arquidiocesano de Brasília Nossa Senhora de Fátima oferece a celebração Eucarística aos domingos, às 10h00. Todos aqueles que desejam participar são muito bem-vindos. Ao término da celebração, servimos um cafezinho permitindo um momento de fraternidade e partilha entre os participantes.

A Liturgia da Santa Missa é responsabilidade dos seminaristas do primeiro ano de filosofia. Essa missa pode deixar de ser celebrada no período das férias. Para informações sobre a Missas no período de férias, confiram a agenda de nosso site.

 

 

 

Você pode ajudar o Seminário Maior Nossa Senhora de Fátima de duas formas:

 

  1. A mais importante - por meio da sua oração fiel e constante pelas vocações sacerdotais.

  2. De forma material, sendo um benfeitor por meio da Obra das Vocações Sacerdotais (OVS) ou por meio da Conta AMIGOS DO SEMINÁRIO.


     

 

 

A Obra das Vocações Sacerdotais (OVS) é uma entidade religiosa sem fins lucrativos, vinculada à Arquidiocese de Brasília. Sua missão é arrecadar e administrar todos os recursos financeiros doados pelos BENFEITORES (fiéis leigos) em prol da sustentação material do Seminário Maior Nossa Senhora de Fátima. Para ajudar clique no banner acima.

Para entrar em contato pessoal com a OVS

3248-4177 / 3366-9904 / 9563-6368 / 9170-1816

Horário de atendimento da OVS

De segunda à sexta-feira das 08:00h às 12:00h e das 13:00h às 17:00h.


 

 

 

A conta AMIGOS DO SEMINÁRIO se destina exclusivamente a arrecadar fundos para reformas e novas construções do Seminário Maior Nossa Senhora de Fátima. Ao doar para a conta AMIGOS DO SEMINÁRIO, você também mantém o seminário diante das diversas obras emergenciais que, frequentemente, surgem como imprevistos. A conta corrente para depósito é a seguinte:

Banco do Brasil - Ag. 2881-9 C/C. 19000-4


 

Societas Presbyterorum a Sancto Sulpitio


 

          A Companhia dos Padres de São Sulpício foi fundada na Igreja de São Sulpício em Paris em 1641. O pároco Jean-Jaques Olier (Pe. Olier) reuniu ao seu redor alguns padres diocesanos que estavam desejosos de dedicar seu ministério para a renovação da Igreja através da renovação destes homens de Deus. Com esta finalidade, os sulpicianos fundaram seminários na França e mais tarde ao redor do mundo, onde a educação teológica e o treino pastoral foram complementados por uma forte ênfase na formação espiritual, especialmente sublinhando a necessidade de uma direção espiritual regular para cada seminário. Em Brasília, a missão teve início com o seminário guiado pelos padres de São Sulpício no ano 1980. O Pe. Rodrigo Arango, PSS assumiu a reitoria e acolheu seminaristas de dioceses vizinhas.

Sacerdotes Diocesanos

          Nós somos uma associação de padres diocesanos. Por isso, permanecemos incardinados a nossas próprias dioceses de origem e recebemos a permissão dos nossos bispos diocesanos para fazer um compromisso permanente com o carisma sulpiciano. 

Vida de Comunidade

          Desde a perspectiva canônica a Sociedade de São Sulpício é uma comunidade de vida apostólica de direito pontifício. Como bem se conhece, nós desempenhamos o nosso ministério sob a  autoridade das constituições aprovadas pela Santa Sé e dos nossos superiores, eleitos por nós mesmos. Vivemos e trabalhamos numa relação estreita com outros sulpicianos em benefício de nossa missão comum. Trabalhamos também em unidade com padres diocesanos em todos os seminários sob nossa responsabilidade. Usamos como veículo de formação, nosso testemunho e vida com os estudantes.

Ao serviço do Sacerdócio Diocesano

          A nossa missão e compromisso é o de servir a Deus e a Igreja servindo aos sacerdotes diocesanos. Fundamentalmente o nosso trabalho nos seminários é aplicar programas de formação e ajudar na formação permanente do clero.

Uma Comunidade Internacional

          Tendo seu início em Paris, os sulpicianos no mundo estão divididos em três províncias: França, Canadá e Estados Unidos.  Desde o início, Pe. Olier enviou sulpicianos para a Nova França na metade do século XVII. A Companhia sempre se preocupou com o trabalho missionário. Desta maneira, hoje, a província da França também tem membros trabalhando no Vietnã e na África de língua francesa. A província do Canadá tem membros trabalhando no Japão e na América Latina, especialmente no Brasil (Brasília-DF e Crato-CE) e na Colômbia. A Província Americana trabalha também com territórios Africanos de língua inglesa. Isto nos oferece um sentido de vivência da Igreja e do sacerdócio a redor do mundo.


Obs.: O logotipo da Companhia de Padres de São Sulpício, um A e um M entrelaçados, significa Auspice Maria, sob a proteção de Maria.

 

25 de Junho de 2015

Visita de São João Paulo II ao SMAB

Escrito por

 

         No dia 15 de outubro de 1991 nosso Seminário Maior recebia um ilustre vistante em suas mediações : São João Paulo II. Em sua visita ao nosso Seminário ele fez um belíssimo e profundo pronunciamento, para todos os formadores e seminaristas. Leia na integra as palavras de Sua Santidade.

 

VIAGEM APOSTÓLICA AO BRASIL

 

DISCURSO DO PAPA JOÃO PAULO II 

AOS JOVENS ALUNOS DO SEMINÁRIO 

ARQUIDIOCESANO DE «NOSSA SENHORA 

DE FÁTIMA» DE BRASÍLIA

 

15 de Outubro de 1991

 


 

Meus caros Seminaristas,

1. É uma imensa alegria para mim, poder estar aqui reunido com um bom número daqueles que receberam o chamado de Cristo para serem seus servidores e ministros! Nos que aqui estão, vejo também a presença dos outros seminaristas do Brasil, e a todos quero dirigir minha palavra.

Agradeço de coração as amáveis palavras do Diácono Antônio Edimilson Ayres, ao falar em nome dos seminaristas aqui reunidos, querendo interpretar o espírito comum que anima a todos.

Vem e segue-me (Mt 19, 21)! Este chamado foi ouvido, um dia, no fundo dos vossos corações. Cada um escutou o apelo de forma diferente e em circunstâncias diversas. Mas para todos, há um ponto em comum: foi o próprio Jesus Cristo que veio ao vosso encontro e disse: Vem e segue-me! Recebestes uma vocação divina para serdes instrumentos vivos de Cristo, Eterno Sacerdote Cfr. Presbyterorum Ordinis, 12).

O encaminhamento para esta vocação e esta missão é muito mais do que uma escolha ou uma inclinação pessoal. A todos podem ser aplicadas aquelas palavras de São Paulo, que despertam na alma sentimentos de admiração e de agradecimento: “n’Ele nos escolheu antes da criação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis diante de seus olhos”(Ef 1, 4). Desde toda a eternidade, cada vocação está, por assim dizer, inscrita no próprio coração do Senhor. Valorizai sempre, por isso, vossa vocação como ela é: um grande dom divino!

2. Vem e segue-me. O próprio chamado específico, de que fostes objeto, pede uma adequada preparação, uma formação que permita, de fato, identificar-se com Cristo e seguir seus passos. “Que é esta formação?”, perguntava eu no início dos trabalhos do Sínodo dos Bispos do ano passado, que abordou o tema da formação sacerdotal. “Pode-se dizer, respondia, que é uma resposta ao chamamento do Senhor da vinha”(Ioannis Pauli PP. II Allocutio VIII ineunte ordinario generali coetu Synodi Episcoporum, 2, die 30 sept. 1990: Insegnamenti di Giovanni Paolo II, XIII, 2 (1990) 788).

É para criar as condições de dar esta resposta que existe o dever de uma oportuna formação durante os anos do Seminário.

Embora este nome - Seminário - não seja o único para designar o tempo e o local dessa formação, é ele utilizado de preferência na Igreja. O Seminário está no coração da Igreja que deseja seu desenvolvimento e espera que receba todo apoio, como falou o Concílio Vaticano II e repetiram, no ano passado, os Padres Sinodais. O Concílio chegou até a decretar que deve ser considerada plenamente válida na Igreja a experiência multissecular dos Seminários, porque, como instituições destinadas à formação sacerdotal, são o instrumento talvez mais eficaz para a preparação integral dos futuros sacerdotes, na medida em que estiverem dotados dos meios pedagógicos indispensáveis (Ratio Fundamentalis Institutionis Sacerdotalis, Intr. 1) O atual Código de Direito Canônico, seguindo esta mesma linha, determina que em todas as dioceses, com condições de fazê-lo devidamente, deve existir um Seminário Maior. Caso isso não seja possível, deveriam enviar seus candidatos ao Seminário de outra diocese ou a um Seminário interdiocesano (Codex Iuris Canonici, can. 237). Estais vendo como a Igreja preza os Seminários. Dá ela, inclusive, especial valor à palavra “Seminário”, que prefere a outras, por causa de seu conteúdo e de sua raiz evangélica. Seminário significasementeira, lugar de sementes para o futuro plantio. Percebemos de forma imediata o paralelismo entre o cuidado do bom agricultor com as plantas que estão germinando, e o tempo de formação no Seminário.

A semente, para crescer com viço e dar frutos, exige tempo e atenções esmeradas. A formação do sacerdote também. Seria falsa a urgência que levasse a uma preparação descuidada, ou a improvisações superficiais, que deixariam lacunas irreparáveis nos futuros sacerdotes. Nenhuma urgência pastoral ou simples preocupação numérica pode levar a descurar a sólida formação dos seminaristas, em Seminários que funcionem de acordo com as normas canônicas e as orientações oficiais da Igreja, confirmadas no recente Sínodo.

3. Que dimensões deve ter essa formação, verdadeira “escola do Evangelho”? Deve ser ela “uma formação integral, que não descuide nenhum aspecto: formação humana, doutrinal, espiritual e pastoral, que tenha em conta as circunstâncias, muitas vezes difíceis, em que deve ser exercido o ministério” (Ioannis Pauli PP. II Allocutio novissima in congregatione VIII Coetus generalis ordinarii Episcoporum Synodi, 8, die 27 oct. 1990:. Insegnamenti di Giovanni Paolo II, XIII, 2 (1990) 950).

Em primeiro lugar, formação humana, necessária para seguir a Cristo, “perfeito Deus, e perfeito homem” (Symbolum "Quicumque"). O tempo do Seminário deve ser, acima de tudo, um tempo de profunda identificação com Cristo, começando por tomar como modelo a Humanidade do Senhor.

Ser outro Cristo, alter Christus, como é preciso que seja o sacerdote, exige humanidade íntegra, caráter firme, virtudes morais sólidas,personalidade madura (Cfr. Optatam Totius, 11). Estas virtudes são importantíssimas na vossa formação. Para consegui-las não existe outro caminho que o da autêntica disciplina e da austeridade de vida. Portanto, deve o Seminário educar o futuro sacerdote na escola do sacrifício e da disciplina viril, pessoal e inteligente.

Tende sempre presente que a maturidade e a firmeza das virtudes “humanas” é como a rocha, sobre a qual pode assentar-se com estabilidade o edifício das virtudes sobrenaturais e a própria vocação.

Sede fortes na perseverança, a despeito das eventuais dificuldades ou crises, convencidos de que a vocação não é uma escolha pessoal, que se pode assumir ou revogar, nem uma experiência, mas, como antes vos lembrava, um desígnio e um chamado eterno de Deus.

Segui pelo caminho que Jesus Cristo trilhou, abraçando voluntariamente e com alegria o dom do celibato sacerdotal. Não vos posso ocultar o íntimo gozo com que vi confirmada pelo último Sínodo “a opção do celibato sacerdotal, que é própria do rito latino”, como “carisma livremente recebido e autenticado pela... Igreja, em vista de uma dedicação exclusiva e alegre da pessoa do sacerdote ao seu ministério de serviço e à sua vocação de testemunha do Reino de Deus” (Ioannis Pauli PP. II Allocutio novissima in congregatione VIII Coetus generalis ordinarii Episcoporum Synodi, 7, die 27 oct. 1990:. Insegnamenti di Giovanni Paolo II, XIII, 2 (1990) 949 s.). São ilusórias e empobrecedoras para o sacerdócio as pretensões de um “celibato opcional”. O mesmo Deus que vos chamou, vos dará a graça para amar e conservar fielmente o grande dom do celibato, que Ele próprio quis unir à vossa vocação.

4. Seguir a Cristo - vem e segue-me! -, exige conhecer a Cristo, conhecer o Mistério do Deus feito Homem, conhecer o Mistério da Salvação (Cfr. Optatam Totius, 13). É para isto que se orienta a formação doutrinal que tem uma importância fundamental nos anos do Seminário. Esta formação deverá ter o caráter indispensável de um estudo sério e profundo na preparação para o sacerdócio. Dedicai-vos ao estudo com empenho e afinco! Somente assim chegareis a ser homens de fé e testemunhas da verdade que liberta (Jo 8, 32).

O autêntico saber filosófico é instrumento fundamental para compreender mais profundamente o homem, a realidade do mundo e o seu Criador. Tal como aconselhava o Concílio Vaticano II, esta formação filosófica deve apoiar-se sempre no “patrimônio filosófico perenemente válido” (Cfr.Optatam Totius, 15). Que abre caminho para uma segura e profunda inteligência das verdades reveladas. Hoje, com o descrédito das ideologias que até pouco dominavam tantas nações, percebe-se melhor como os projetos de nova ordem social se manifestaram inconsistentes, por causa da fragilidade de seus fundamentos filosóficos. Só se pode alcançar uma capacidade de discernimento e de atuação eficaz e segura, através daquele conhecimento filosófico que é a busca da verdade em si mesma. Todas as orientações pastorais, as propostas educativas, as reformas sociais ou as decisões políticas deveriam estar embasadas em pressupostos e esquemas mentais de caráter filosófico, que não podem ser ignorados por um futuro sacerdote.

O estudo da teologia, a que vos dedicais durante vários anos, fornecerá a base sólida para a vivência e a transmissão da Verdade salvadora. Utilizai a Sagrada Escritura como contínuo alimento espiritual, e aprofundai o seu conteúdo principalmente à luz dos Padres da Igreja, incomparáveis intérpretes dos Livros Sagrados e testemunhas privilegiadas da Tradição (Cfr. Instr. de Patrum Ecclesiae studio in formatione sacerdotali, die 10 nov. 1989, n. 18. 26). São eles que vos guiarão nos estudos teológicos, dando-lhes uma vitalidade cada vez maior e mostrando sua íntima relação com vossa vida espiritual e com vosso trabalho pastoral.

Tende sempre como guia, para os estudos, o Magistério autêntico e universal da Igreja. Só quando o Magistério é docilmente aceito, com espírito de fé, expressão da fé viva no próprio mistério da Igreja, é que se podem evitar as tentações do deslumbramento superficial perante correntes e modas teológicas, que deturpam e obscurecem a Verdade. Não vos deixeis iludir pelos desvios de uma teologia da libertação, que pretende reinterpretar o depósito da fé com base em ideologias de cunho materialista, e se afasta gravemente da Verdade católica.

5. Mas todo enriquecimento que se adquire pela formação doutrinal, seria planta sem seiva, se não tivesse como base uma intensa vida espiritual. O seminarista prepara-se, antes de mais nada, para ser um homem de Deus.

Recorrei regularmente e com frequência ao Sacramento da Reconciliação, que é fonte permanente de conversão e de renovação. Vivei piedosamente as práticas da meditação, da leitura espiritual, do exame de consciência e as sólidas devoções recomendadas pela Igreja, dentre as quais sobressai muito especialmente o amor filial a Maria Santíssima. Deste modo, se irá dando em vossas vidas uma mais íntima identificação com Cristo e, em consequência, um autêntico aprendizado do amor.

Buscai, entre os sacerdotes aprovados pelo Bispo, um diretor espiritual, que vos auxilie neste aprendizado. Conversai com ele regularmente. Como a planta que está nascendo requer cuidados atentos do lavrador, assim o amor que desponta na alma terá seu desenvolvimento mais pleno, com o auxílio de um diretor espiritual dotado de experiência, retidão de critério e zelo ardente.

6. Desta formação espiritual, caros seminaristas, nascerá o espírito de caridade que é o fruto do amadurecimento do amor a Cristo. Sereis, assim, sacerdotes como precisa a Igreja, verdadeiros pastores, plenamente imbuídos do amor que nasce do Coração de Cristo. Com esta caridade pastoral, sabereis procurar de preferência os mais pobres e necessitados, os que carecem da luz e do conforto espiritual para suas vidas. Vossa caridade deve ir além de uma mera assistência ou promoção social, deve ser aberta a todos, sem exclusivismos, refletindo a vontade salvífica universal de Cristo.

Assim, descobrireis a beleza do vosso sacerdócio e a verdadeira face da Igreja. Esta, no empenho por tornar o mundo mais justo e mais humano, se baseia, antes de tudo, numa visão ética e religiosa. O magistério da Igreja procura iluminar os problemas que afligem a sociedade contemporânea com os princípios e critérios evangélicos e baseados na ordem natural, para que cada pessoa possa viver com dignidade e alcançar seu destino temporal e eterno. É assim a atividade pastoral da Igreja e sua doutrina social. Torna-se, pois, indispensável para vós conhecer bem esta doutrina, estudá-la com afinco, dedicar-lhe verdadeiro apreço, se quereis que vosso futuro ministério seja realmente eficaz e fecundo.

7. Quero dirigir ainda uma palavra de alento e de agradecimento aos formadores, para que perseverem, com alegria e sacrifício, nesta tarefa silenciosa e incansável.

Objeto desta gratidão e estímulo são em primeiro lugar os formadores do “primeiro seminário”: os pais. É no lar cristão que desabrocha a fé e dá os primeiros passos a vocação sacerdotal. Pais, amai a vocação de vossos filhos, e agradecei a Deus o amor de predileção com que se dignou escolher algum deles para ser operário da sua messe.

Aos que receberam dos respectivos Bispos a tarefa de serem formadores no Seminário, peço que amem sua missão e se dediquem a ela de todo coração. Lembrai-vos de que nas vossas mãos está o futuro da Igreja! No Brasil há uma urgente necessidade de vocações, que Deus não deixará de promover, e isto significa que há urgente necessidade de formadores bem preparados. Tal urgência não deixa indiferente o meu coração de Pastor de toda a Igreja, nem o dos Pastores locais, sendo um motivo de viva atenção e de oração para todos. Por isso, reveste-se de grande importância o esforço que a Pastoral Vocacional vem desempenhando em todo o Brasil, com o incentivo da vossa Conferência Episcopal. Desejo, portanto, animar a tantos agentes que, espalhados por todo o país, dão o próprio testemunho e prestam seu serviço para dinamizar esta Pastoral, a fim de que sintam a necessidade de acompanhar ainda mais os candidatos ao sacerdócio, no seu processo de discernimento e amadurecimento vocacional.

8. Quero terminar estas palavras, caros seminaristas, elevando meu coração a Deus em prece confiante e cheia de fé:

Senhor, fazei que estes futuros sacerdotes tenham uma personalidade íntegra e rica em virtudes, à semelhança de Jesus Cristo.

Fazei que sejam homens de Deus e, como Jesus, homens para os outros. Colocai em seus corações um amor vivo pela Palavra divina, pela Eucaristia e pela oração, pela Igreja e pela doutrina salvadora que ela conserva e proclama fielmente. Fazei, enfim, que na preparação ao seu futuro ministério, sejam cada dia mais santos.

Para confirmar estas intenções, convido a todos para que contemplem sempre a Maria, a Virgem Santíssima, como modelo de entrega ao plano de Deus. Imitai o seu “fiat” expresso numa decisão única, que sirva de estímulo a vossas vidas. Que Ela, a Virgem Aparecida, a Mãe da Igreja e de todos vós, vos acompanhe no caminho do altar e da vinha do Senhor.

Peço, enfim, que leveis meu abraço e minha lembrança a todos os vossos pais e irmãos. Que eles saibam que o Papa nutre, também por eles, particular afeto. Para terminar, dirijo minha saudação especial e afetuosa aos Superiores e aos Seminaristas do Seminário “Redemptoris Mater” que a pouca distância daqui encontra-se a concluir. Faço votos que, com a Bênção de Deus, sejam sempre de autêntica formação de Sacerdotes, animadores pelo verdadeiro espírito de Cristo. A todos, de coração, concedo a minha Bênção Apostólica. Amém.

25 de Junho de 2015

História

Escrito por

           A cidade de Brasília foi inaugurada em 21 de abril de 1960 como a nova capital da República Federativa do Brasil. Com ela, nascia também a Arquidiocese de Brasília, confiada aos cuidados pastorais de Dom José Newton de Almeida Baptista, o qual já havia sido bispo de Uruguaiana, no Rio Grande do Sul (1944), e arcebispo de Diamantina, em Minas Gerais (1954).

          A ideia da construção de um seminário na nova capital apareceu, em primeiro lugar, na bula de criação da Arquidiocese de Brasília "Quandoquidem nullum" (16 de janeiro de 1960), do Papa João XXIII, que indicava a grave obrigação de edificar, ao menos, um seminário menor. Depois, o primeiro Arcebispo de Brasília, no seu discurso de posse (21 de abril de 1960), colocava a construção do seminário entre as suas primeiras metas pastorais.

          Em 12 de outubro de 1960, seis meses após a inauguração da Arquidiocese, foi lançada a pedra fundamental do Seminário Arquidiocesano. Nessa ocasião, Dom José Newton afirmou que esse seminário constituiria a "fonte de vida da Arquidiocese de Brasília". Inaugurado parcialmente em 1º de março de 1962, esse Seminário Menor, confiado à direção dos padres lazaristas, depois de funcionar durante alguns anos, teve de ser fechado.

          Desde então, Dom Newton passou a buscar uma solução para a questão vocacional da jovem Arquidiocese. Em 26 de agosto de 1973, o Papa Paulo VI dirigiu uma carta ao Superior Geral dos Padres de São Sulpício, Pe. Constant Bouchaud, manifestando confiança e reconhecimento pelo serviço prestado por essa Companhia à Igreja no campo da formação dos futuros sacerdotes. Lendo essa carta, publicada no "L' Osservatore Romano", Dom Newton pensou em convidar os Padres Sulpicianos para dirigir o tão almejado Seminário Maior de Brasília. Para tanto, escreveu ao Núncio Apostólico no Brasil, Dom Carmine Rocco, apresentando-lhe toda a situação e a possibilidade de solicitar a cooperação da Companhia de São Sulpício.

          Assim, Dom Rocco entrou em contato com o Pe. Bouchaud, pedindo-lhe oficialmente, por uma carta (18 de abril de l974), que providenciasse a fundação e a direção do Seminário Maior de Brasília. Com prontidão, já nos dias 24 a 30 de setembro, o Pe. Roland Dorris, Superior Provincial dos Sulpicianos do Canadá, junto com o Pe. Rodrigo Arrango, Reitor do Seminário Maior de Bogotá, faz uma visita a Brasília, para tratar dos projetos de fundação do novo seminário. A fundação fica definitivamente aprovada por uma carta do Arcebispo de Brasília, em 30 de junho de 1975.

Em 05 de agosto, Dom José Newton envia uma carta circular a várias dioceses do Brasil, oferecendo-lhes o novo Seminário de Brasília para a formação dos seus futuros sacerdotes. Assim ele se expressava nessa carta: "Venho oferecer a Vossa Excelência nosso Seminário Maior, isto é, o seu Primeiro Ano de Filosofia, a iniciar-se em março de 76. Em 1977, teremos também o Segundo Ano de Filosofia, e assim por diante, até completar o curso dos três anos de filosofia e quatro de teologia... Sentimo-nos felizes por ter obtido da Sociedade de São Sulpício, Província do Canadá, a direção e, pois, a formação de nossos futuros sacerdotes... O sistema sulpiciano tem a vantagem de larga e exclusiva experiência e beneficia-se de criteriosa atualização de seus métodos".

          Em 10 de fevereiro, chegam dois padres sulpicianos: o pe. Rodrigo Arrango Velásquez, PSS, que seria o primeiro Reitor do Seminário de Brasília, e o pe. Telesfóro Gagnon, PSS. Além desses, um padre de Brasília, monsenhor Damasceno Assis, atual Arcebispo de Aparecida, junta-se à equipe de formadores do seminário. Finalmente, no dia 08 de março de 1976, chegaram os primeiros oito alunos.

          A inauguração oficial se deu na Solenidade da Anunciação do Senhor, em 25 de março de 1976. Nessa data, o padre Reitor afirmava: "O nosso programa de orientação pode resumir-se em uma frase: fidelidade à Igreja. Em matéria de pedagogia sacerdotal, a Igreja possui diretrizes de formação definidas, experimentadas e atualizadas. Não vamos inventar o que é um Seminário Maior".

          O pedido expresso pelo Sínodo foi plenamente recebido pelo Santo Padre que, no n. 62 da Exortação apostólica pós-sinodal Pastores dabo vobis, convidou a Congregação para a Educação Católica a recolher “todas as informações sobre as experiências feitas ou que se estão a fazer” acerca do período propedêutico e a comunicá-las depois às Conferências Episcopais. Sendo a praxe existente nos diferentes países muito diferenciada, a Exortação, no mesmo número 62, sugeria ser necessário limitar-se só a uma fase de estudo e de experimentação, para poder definir de maneira mais conveniente e significativa os diversos elementos de tal período, que, aliás, deve ser coordenado com os anos sucessivos da formação no seminário.

          Na nova Ratio do Brasil foi traçado um programa para unificar as iniciativas neste sector. Prescreve-se um período propedêutico concebido como uma « instituição autônoma, distinta e coordenada com outras etapas de formação ». Trata-se dum curso com uma residência própria, com uma programação específica, que deve ter uma duração não inferior a um ano e ser realizado depois da conclusão dos estudos secundários sob a direção de formadores bem escolhidos.

          A sua obrigatoriedade estende-se também aos alunos provenientes dos seminários menores e dos grupos vocacionais. Entre os seus principais objetivos, mencionam-se os seguintes: discernimento vocacional, amadurecimento humano-afetivo, formação espiritual com uma experiência viva de Deus alimentada com leituras bíblicas, com a oração e a liturgia. 

          O curso visa, além disso, completar a formação intelectual, a iniciação à vida comunitária e uma compreensão mais aprofundada da Igreja, do sacerdócio e do ministério presbiteral. Para cada uma das principais dimensões formativas (humana, espiritual, acadêmica e pastoral) são dadas orientações detalhadas.

Faça o download das notas históricas do seminário clicando no arquivo abaixo!

05 de Junho de 2015

Sobre nós

Escrito por

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Excepteur sint occaecat cupidatat non proident, sunt in culpa qui officia deserunt mollit anim id est laborum

Sed ut perspiciatis unde omnis iste natus error sit voluptatem accusantium doloremque laudantium, totam rem aperiam, eaque ipsa quae ab illo inventore veritatis et quasi architecto beatae vitae dicta sunt explicabo. Nemo enim ipsam voluptatem quia voluptas sit aspernatur aut odit aut fugit, sed quia consequuntur magni dolores eos qui ratione voluptatem sequi nesciunt. Neque porro quisquam est, qui dolorem ipsum quia dolor sit amet, consectetur, adipisci velit, sed quia non numquam eius modi tempora incidunt ut labore et dolore magnam aliquam quaerat voluptatem. Ut enim ad minima veniam, quis nostrum exercitationem ullam corporis suscipit laboriosam, nisi ut aliquid ex ea commodi consequatur? Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem eum fugiat quo voluptas nulla pariatur?